Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mãe ser múltiplo

por Ivone Neto, em 06.05.14

Sabe aquele velho ditado de que você sabe o que é ser mãe quando é? Realmente refletimos muito sobre a importância de nossa mãe quando somos mãe. Minha mãe tem um processo de entrega profundo. Com os filhos e netos.  Minha irmã também é uma mãe de pura entrega com os gêmeos.  Sua dedicação é ímpar. Sua organização exemplar. Eu já sou mais desprendida com alguns fatores. Diz a filha de uma amiga minha: “nossa como você é zen”. Eu procuro não me estressar com determinadas coisas. Por exemplo, se eu não encontro o par da meia na hora de trocar o Arthur pra ele ir pra escola cedo, eu coloco meia trocada e ele vai assim mesmo.  Meu tempo é raro e entre organizar as gavetas ou brincar com eles, ou até mesmo fazer o jantar, eu fico com as últimas opções.

 

Confesso que tem vezes que preferiria está bem sozinha, especialmente, quando estou em meu momento banho e eles ficam batendo na porta ou, como já aconteceu, saio do banheiro e encontro ela dormindo na frente da porta.  Entre ternura e perplexidade eu vou seguindo minha jornada maternal. E me surpreendo com eles e comigo também. Há tantas diferenças e aprendizados em cada fase. Tem momentos de comunhão com todos eles gargalhando e brincando ao mesmo tempo, que experimento o mais precioso formato de felicidade. O que mais aprendo com meus filhos é a bênção do desapego. Em instantes o choro, em outros sorrisos. Com os três observo que a mudança é o que mais permanece na jornada da vida. Com isso tenho praticado minha filosofia de que MENOS é MAIS e MAIS é MENOS em diferentes aspectos.

 

Sei que sou falha em algumas situações. Eu me perdoo e procuro melhorar no passo seguinte. Certa vez eu ouvi: não sei como você teve filhos, parece que não tem muito estilo para maternidade. Eu respondi com meu sorriso e fiquei pensando quanta generosidade há na diversidade de cada mãe. Essa multiplicidade do ser mãe nos permite enxergar que há muitas possibilidades de ensinar e aprender. Como tenho aversão a rótulos, esse modo de caracterizar mãe assim ou assado me aborrece. Realmente eu não me enquadro em nenhum padrão. Como todas as mães, eu sou única. 

Minhas crias, singulares por essência 

Tags:

publicado às 17:56



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D