Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As roupas e os traços da Bruna na Isa

por Ivone Neto, em 14.08.19

Essa blusa que ela está usando foi da Bruna. A Isa está crescendo e selecionou alguns itens de roupas da irmã que eu não deveria doar, para ela usar no futuro. O guarda roupa quase vazio, retrato de desapego. É que tenho também minhas agonias, e uma delas é ver coisas paradas, sem uso. A energia precisa circular. O presente que foi o futuro cogitado no passado está chegando mais rápido do que eu previa. Coisas de mãe, talvez, pensar nessa passagem do tempo assim, quando observamos essa transição. A Isa já tem espinhas. Algumas peças da Bruna já servem nela. Ah os minutos do relógio não param, ou, como preferimos contar, as fases lunares se sucedem. Estamos na Lua Crescente do Arthur. Sim cada um dos meus filhos tem sua Lua e meu marido diz que essa é uma das minhas loucuras. A Isa sente muita saudade da irmã que há mais de 3 anos mora longe. Muitas vezes pego ela olhando a foto delas juntas e vejo seus olhos lacrimejando. Sinal de ternura. A saudade também dói. Outras semelhanças engraçadas: A Isa conversa no banho, como a Bruna. Ela também brinca sozinha de professora com suas bonecas e fala que fala. E anda ficando “enjoada e demorada” para se arrumar e o pai diz: “Ai minha Santinha, tá parecendo a Buda”. E sei que ele fala isso também exalando saudade e carinho. Hoje é um daqueles dias que eu acordei com muitas saudades da Buda e de outros personagens que amo. A distância e a proximidade caminham juntas no meu coração.

67871821_10220671799451917_3307545471311937536_n.j
Traços entrelaçados de amor das irmãs Terra & Água

 

publicado às 11:19

Desafio de ser Mãe

por Ivone Neto, em 17.03.09

Tenho duas filhas com idades bem diferentes. No outono que já sopra, uma delas irá completar 15 anos e a outra 9 meses. Um desafio e uma oportunidade vivenciar fases tão distintas, delas e minha. Elas crescem, eu amadureço. É uma troca espetacular aprender e ensinar de forma simultânea e tão intensa.

Vou construindo minha maneira de ser mãe de acordo com as novas situações que surgem. O importante é que aprendi encarar os problemas por outro ângulo, com positividade, como possibilidade para desenvolver nossa capacidade de criar e recriar, de tentar encontrar soluções com foco no melhor caminho, o da compreensão, do diálogo, da amizade e do amor. Isso não quer dizer que não seja preciso ser exigente e enérgica, pelo contrário, como sempre tive grande dificuldade em dizer NÃO esse processo tem me ensinado que ele é muito valioso em determinadas ocasiões e que pode ser seguido de um SIM que simboliza um grande tesouro. A maternidade é uma bênção e uma grande missão.

 

Cada dia mais eu enxergo que tudo tem um propósito e me surpreendo farejando alertas. É minha intuição sendo praticada, é minha voz interior que orienta e como coração de mãe tem uma intuição aflorada em relação aos filhos. Lembrei de um ditado que minha mãe de vez em quando pronuncia “quando meu coração palpitar....”. Esses “palpites” de mãe merecem atenção. Claro que nem sempre, principalmente, em fases como a adolescência é fácil ensinar os filhos a importância de ficar atento aos sinais, afinal, eles tem seus anseios próprios, estão descobrindo o mundo e certas coisas vão aprender com o tempo e as vivências. Por isso é preciso encontrar um canal de comunicação para que a orientação seja assimilada respeitando a individualidade e o ritmo dos filhos.

 

Nossa família é uma mistura de Água&Terra. Pai e Mãe, Terra e Água, Filhas Terra e Água, respectivamente. Somos tão parecidos e ao mesmo tempo tão diferentes. É uma diversidade conectada de elementos. As filhas têm tanto do pai. Os dois Terra e Terra que o digam, talvez por isso são próximos e distantes, vão de extremos de iguais a distintos, semente e fruto com semelhanças e singularidades únicas, mas que se reconhecem em tantas coisas. A linguagem entre eles tem um formato com poucas palavras e muito sentido. E o PAI com um abraço, um colo e palavras vindas do coração quebra o gelo e promove mudanças demonstrando do seu jeito a imensidão do amor que os une. E o choro de emoção é um retrato do diálogo só deles.

 

Presenciar esses momentos me traz felicidade e a certeza que tocar, sentir e movimentar o amor em família é um desafio grandioso e que, acima de tudo, somos seres unidos por um laço de Amor tão profundo, eterno e abençoado. Com muita fé, agradeço essa graça que me fortalece todos os dias: FAMÍLIA.

publicado às 13:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D